As 16 obras de arte mais caras do mundo

Tempo de leitura: 6 minutos

Costuma-se dizer que a morte de um artista ajuda a agregar um bocado de valor à sua obra. Um tanto mórbido, é verdade. Mas é fato que muitos mestres das artes deixaram legados que valem muito mais dinheiro do que eles provavelmente viram em vida. Por isso, saiba: caso queira participar do próximo leilão, é bom estar preparado para abrir a carteira e dar adeus a alguns milhões de dólares. Conheça as 16 obras de arte mais caras do mundo:

1. $450.000.000 pelo Salvator Mundi, de Leonardo da Vinci.

leonardo-da-vinci-salvator-mundi (Foto: Wikimedia Commons)
1. Salvator Mundi, Leonardo da Vinci

A obra Salvator Mundi, atribuída a Leonardo da Vinci, bateu um recorde estratosférico ao ser leiloada por U$ 450 milhões. A pintura ficou desaparecida por quase um século até ser reencontrada em 2005. A imagem retrata Cristo com um olhar sereno, segurando uma orbe, e é um dos menos de 20 trabalhos de Leonardo ainda em existência.

2. $300.000.000 pelo Interchange, de Willem de Kooning, 1955.

Willem de Kooning se tornou sinônimo de um movimento de arte pós Segunda Guerra Mundial conhecido como Expressionismo Abstrato. Enquanto o mundo tentava se organizar depois da guerra, artistas como Kooning faziam o mesmo, e ele se sentiu desiludido e prejudicado pelos acontecimentos que sucederam. O trabalho de Jooning expressa a feia realidade de nosso novo mundo.
Willem de Kooning / Via Art Institute of Chicago

Willem de Kooning se tornou sinônimo de um movimento de arte pós Segunda Guerra Mundial conhecido como Expressionismo Abstrato. Enquanto o mundo tentava se organizar depois da guerra, artistas como Kooning faziam o mesmo, e ele se sentiu desiludido e prejudicado pelos acontecimentos que sucederam. O trabalho de Jooning expressa a feia realidade de nosso novo mundo

3. $300.000.000 pelo Quando Você Vai se Casar?, de Paul Gauguin, 1892.

Em 1891, Paul Gauguin viajou para o Tahiti para se refugiar do estilo de vida agitado da Europa moderna. O que ele descobriu foram os tons quentes vistos em Quando Você Vai se Casar?, e uma população indígena que continuou a inspirar o artista ao longo de sua carreira.

 Paul Gauguin / Via Fondation Beyeler

Em 1891, Paul Gauguin viajou para o Tahiti para se refugiar do estilo de vida agitado da Europa moderna. O que ele descobriu foram os tons quentes vistos em Quando Você Vai se Casar?, e uma população indígena que continuou a inspirar o artista ao longo de sua carreira.

4. $272.000.000 pelo quadro Os Jogadores de Cartas, de Paul Cézanne, 1983

Os Jogadores de Cartas vem de uma série de quadros que retratam os camponeses provençais aproveitando um cachimbo e jogando cartas. Comentando sobre a calmaria desse quadro, alguns críticos achegaram a descrever essa série como "a calmaria da vida humana."

Paul Cézanne / Via musee-orsay.fr

Os Jogadores de Cartas vem de uma série de quadros que retratam os camponeses provençais aproveitando um cachimbo e jogando cartas. Comentando sobre a calmaria desse quadro, alguns críticos achegaram a descrever essa série como “a calmaria da vida humana.”

5. $200.000.000 pelo Number 17A, de Jackson Pollock, 1948.

O Number 17A foi feito durante um período prolífico da carreira de Pollock conhecido como "período de goteira", uma época em que muitas das obras de artes mais icônicas dos artistas foram produzidas.

 Jackson Pollock / Via dailymail.co.uk

O Number 17A foi feito durante um período prolífico da carreira de Pollock conhecido como “período de goteira”, uma época em que muitas das obras de artes mais icônicas dos artistas foram produzidas.

6. $186.000.000 pelo No. 6 (Violeta, Verde e Vermelho), de Mark Rothko, 1951.

No. 6 (Violeta, Verde e Vermelho) exemplifica os vastos campos de cores e grande estatura do trabalho pelos quais Mark Rothko é conhecido. Sua rejeição pelo tema tradicional faz parte do sentimento de uma geração de artistas que foram abandonados vazios e machucados depois da Segunda Guerra Mundial.

 Mark Rothko / Via markrothko.org

No. 6 (Violeta, Verde e Vermelho) exemplifica os vastos campos de cores e grande estatura do trabalho pelos quais Mark Rothko é conhecido. Sua rejeição pelo tema tradicional faz parte do sentimento de uma geração de artistas que foram abandonados vazios e machucados depois da Segunda Guerra Mundial.

7. $180.000.000 pelos Retratos de Maerten Soolmans e Oopjen Coppit, de Rembrant, 1634.

Pintados para seu casamento em 1634, esses dois noivos sempre estiveram juntos desde sua criação, apesar de existirem como dois retratos independentes. Isso que é amor eterno.

Rembrandt / Via Louvre and Rijksmuseum

Pintados para seu casamento em 1634, esses dois noivos sempre estiveram juntos desde sua criação, apesar de existirem como dois retratos independentes. Isso que é amor eterno.

8. $179.400.000 pelo quadro As Mulheres de Alger de Pablo Picasso, 1955.

Picasso disse uma vez, "Ninguém nunca olhou para as pinturas de Matisse com mais cuidado do que eu." Depois da morte de seu amigo de longa data e rival, Picasso começou uma série de trabalhos, incluindo essa obra-prima, que foi inspirada pelas mulheres curvilíneas em torno das quais Matisse tinha desenvolvido seu estilo de pintura.

Pablo Picasso / Via christies.com

Picasso disse uma vez, “Ninguém nunca olhou para as pinturas de Matisse com mais cuidado do que eu.” Depois da morte de seu amigo de longa data e rival, Picasso começou uma série de trabalhos, incluindo essa obra-prima, que foi inspirada pelas mulheres curvilíneas em torno das quais Matisse tinha desenvolvido seu estilo de pintura.

9. $170.405.000 pelo Nu couché, de Amedeo Modigliani, 1917.

Amedeo Modigliani passou a maior parte de sua vida como um boêmio sem dinheiro vivendo nas ruas de Paris. Na verdade, a única exibição de arte que ele fez na vida foi imediatamente fechada pela polícia por obscenidade. Ele ficaria surpreso de saber que hoje seu trabalho é premiado entre os maiores pintores do século 20.

Amedeo Modigliani / Via christies.com

Amedeo Modigliani passou a maior parte de sua vida como um boêmio sem dinheiro vivendo nas ruas de Paris. Na verdade, a única exibição de arte que ele fez na vida foi imediatamente fechada pela polícia por obscenidade. Ele ficaria surpreso de saber que hoje seu trabalho é premiado entre os maiores pintores do século 20.

10. $158.500.000 pelo Retrato de Adele Bloch-Bauer I, de Gustav Klimt, 1907.

Gustav Klimt levou três anos para completar esse retato de sua amiga e partroa, Adele Bloch-Bauer. Depois de os nazistas terem anexado a Áustria, em 1938, o quadro passou por várias mãos até finalmente retornar às mãos de herdeiros de Bloch-Bauer em 2006. Hoje o quadro está em exibição na Neue Galerie, na cidade de Nova York.

Gustav Klimt / Via Neue Galerie New York

Gustav Klimt levou três anos para completar esse retato de sua amiga e partroa, Adele Bloch-Bauer. Depois de os nazistas terem anexado a Áustria, em 1938, o quadro passou por várias mãos até finalmente retornar às mãos de herdeiros de Bloch-Bauer em 2006. Hoje o quadro está em exibição na Neue Galerie, na cidade de Nova York.

11. $149.400.000 pelo Retrato de Dr. Gachet, de Vincent Van Gogh, 1890.

Durante os meses finais de sua vida, Van Gogh se comprometeu a cuidar do Dr. Paul Gachet em Auvers-sur-Oise, França. Foi lá que Vincent Van Goh produziu vários de seus trabalhos mais importantes e venerados da carreira, incluindo o retrato de Dr. Gachet, que ele descreveu a sua irmã como "Triste mas bondoso, e, ainda assim, claro e inteligente, é assim que muitos retratos deveriam ser feitos."

Vincent van Gogh / Via Public Domain

Durante os meses finais de sua vida, Van Gogh se comprometeu a cuidar do Dr. Paul Gachet em Auvers-sur-Oise, França. Foi lá que Vincent Van Goh produziu vários de seus trabalhos mais importantes e venerados da carreira, incluindo o retrato de Dr. Gachet, que ele descreveu a sua irmã como “Triste mas bondoso, e, ainda assim, claro e inteligente, é assim que muitos retratos deveriam ser feitos.”

12. $144.700.000 por Três Estudos de Lucian Freud, de Francis Bacon, 1969

O relacionamento entre os artistas Francis Bacon e Lucian Freud foi de uma rivalidade amigável. Os dois artistas trabalharam incansavelmente para desenvolver um estilo de pintura que fosse tão profundamente psicológico quanto temperamental.

Francis Bacon / Via christies.com

O relacionamento entre os artistas Francis Bacon e Lucian Freud foi de uma rivalidade amigável. Os dois artistas trabalharam incansavelmente para desenvolver um estilo de pintura que fosse tão profundamente psicológico quanto temperamental.

13. $141.285.000 por L’Homme au Doigt, Alberto Giacometti, 1947

 (Foto: )
4. L’Homme au Doigt, 1947, Alberto Giacometti

De acordo com o site Artsy, apenas 9 esculturas figuram entre as 100 obras mais caras arrematadas no planeta. Apesar do número enxuto, a obra do artista suíço não está em más companhias: peças de Jeff Koons, Henri Matisse e Constantin Brancusi também aparecem no top 50. A obra de bronze, que também é a única pintada à mão pelo artista, foi vendida por US$ 141.285.000 em maio de 2015.

14. $141.500.000 por O Baile no Moulin de la Galette, de Pierre-Auguste Renoir, 1876

Esse quadro de Pierre-Auguste Renoir fez sua primeira estreia em 1877 na exposição de impressionistas em Paris. Hoje, ele é um exemplo perfeito da imagem instantânea e sonhadora do estilo impressionista.

Pierre-Auguste Renoir / Via Musée d’Orsay

Esse quadro de Pierre-Auguste Renoir fez sua primeira estreia em 1877 na exposição de impressionistas em Paris. Hoje, ele é um exemplo perfeito da imagem instantânea e sonhadora do estilo impressionista.

15. $119.900.000 por O Grito de Edvard Munch, 1893

O Grito de Edvard Munch é facilmente uma das pinturas mais reconhecidas na arte moderna. Não é surpresa que esse quadro caro tenha sido o alvo de múltiplos roubos de arte ao longo dos anos.

 Edvard Munch / Via Norway National Gallery

O Grito de Edvard Munch é facilmente uma das pinturas mais reconhecidas na arte moderna. Não é surpresa que esse quadro caro tenha sido o alvo de múltiplos roubos de arte ao longo dos anos.

16. $119.400.000 pela Bandeira de Jasper Johns, 1954.

Dois anos depois de servir na Guerra da Coreia, Jasper Johns sonhou que pintava um quadro da bandeira americana. Na manhã seguinte, ele acordou e começou a trabalhar no que se tornaria um de seus trabalhos mais seminais — e também sua pintura mais cara até então.

 Jasper Johns / Via moma.org

Dois anos depois de servir na Guerra da Coreia, Jasper Johns sonhou que pintava um quadro da bandeira americana. Na manhã seguinte, ele acordou e começou a trabalhar no que se tornaria um de seus trabalhos mais seminais — e também sua pintura mais cara até então.

Sobre Arte Contemporanea

Esta área é reservada para a biografia do autor e deve ser inserida para cada autor a partir da seção Informações biográficas, no painel administrativo. Caso deseje incluir links para as redes sociais de cada autor do site, recomendamos que instale o plugin WordPress SEO. Após instalado, o plugin criará os respectivos campos para links das principais redes sociais (Facebook, Google Plus e Twitter). Após preenchidos os campos, os links de cada rede aparecerão automaticamente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *