Manual prático para produção de um zine

Tempo de leitura: 6 minutos

POR QUE ZINE É TÃO DAORA?

Escrito por Mariana Paraizo

Imagina publicar um material seu, de texto, foto, desenho, do jeito que você quiser, falando nada mais nada menos do que… TUDO O QUE VOCÊ QUISER? Isso é um zine. Explico: zine é um livretinho básico, independente e, muitas vezes, com aquele jeitão de xerocado.

O zine tem sido uma ferramenta muito bacana de difusão de artistas independentes, que tem total responsabilidade e participação na produção como um todo. Desenham, tratam, montam, imprimem, fazem todos os rolês. Muitas vezes, também, nascem zines coletivos, e aí o resultado final é sempre incrível, com diversidade de traços e ideias.

Um desses zines coletivos que a gente leu e curtiu muito (quero dizer, eu só li, a Mazô participou!) foi o Zine XXX. Várias garotas se juntaram e compuseram a publicaçãozinha, dividida em alguns “volumes”. É isso mesmo que você leu: o XXX é um projeto só de garotas – que nem a Capitolina! O que dá para perceber é que, em alguns meios, o zine tem abraçado não só sua função de arte independente/underground (usar esse termo faz eu me sentir moderna!), como também a de comunicação e produção feminista! E um monte de mulher junta, desenhando muitas vezes sobre coisa de mulher, numa perspectiva de luta, só pode dar coisa boa.

Outra coisa legal do zine é que ele abre espaço para cada uma tentar coisas novas, experimentar, pirar mesmo. Não tem regra para fazer zine. O que significa que qualquer uma de vocês pode fazer seu próprio zine, ou chamar azamigas para fazer junto. Depois, é só levar na xerox e vender por um preço bem simbólico para as outras amigas, para todo mundo que tiver ao redor. Se você ainda estiver achando difícil, olha aqui embaixo a demonstração passo a passo que a Mazô fez, para ninguém mais ter dúvida!

Olá! Eu sou a Mazô e eu já fiz três zines. Não tenho lá muuuuita experiência com os zines em si, e no meu caso os dois foram de quadrinhos. Foi o jeito que eu achei de publicar as minhas histórias… e foi muito recompensador! Fiquei bastante tempo pensando em como fazer o tutorial, até enrolei um tempo por não ter fotos dos últimos processos, também. A verdade é que, no fim das contas, não existem muitas regras de como fazer um zine, mas sim muitas formas diferentes de fazer o que você quiser!

#1: O TEMA

Tema - Manual Prático Zine

Tema – Manual Prático Zine

Ter um tema não é obrigatório. Mas, para uma experiência mais forte do zine como uma coisa em si, e não só como um veículo de impressão para as coisas que você tem produzido, é bacana criar uma linha de pensamento.  É um ótimo exercício para quem quer traduzir mundos reais para os livros, objetos, enfim… no caso, o zine. O que te interessa, o que te surpreende? O que você tem pensado? Caso você seja uma pessoa indecisa, apenas comece. Faça alguns rabiscos planejando o que você gostaria de compor, e faça sem medo, porque a liberdade é toda sua!

#2: FORMATO:

Formato - Manual Prático Zine

Formato – Manual Prático Zine

Depois de ter algumas ideias das páginas que você vai colocar no zine – no miolo, na capa, talvez na contracapa – faça uma boneca. Uma boneca, para quem não sabe, é o nome que leva o modelo improvisado do que um dia vai ser o zine. É como uma maquete para que você possa organizar a ordem em que as páginas vão aparecer. Como o zine é uma coisa mais artesanal, ele é feito por páginas dobradas ao meio e unidas pelo que se chama de acabamento.

Você pode fazer o acabamento de mil maneiras: costurando, usando grampos canoa etc. E você ainda pode ser criativo e fazer a capa com papel diferente do miolo, usar papeis vegetais na impressão, mas isso tudo precisa ser combinado com a gráfica. Se você está com orçamento complicado e/ou é seu primeiro zine, uma boa ideia é começar em PB de forma bem simples. Às vezes o toque pode ser até na cor de um papel sulfite rosado, azulado, amarelado, enfim. Seja a circulação por xerox ou impressão, é importante que os seus desenhos e textos estejam com o preto bem balanceado, para haver contraste suficiente e tudo dar certo. Se a sua intenção é fazer cinzento mesmo, usar lápis, cuidado. Às vezes as impressoras tem propriedades diferentes umas das outras e algumas partes podem sair falhadas. A xerox também  pode não pegar o cinza direito, e a qualidade não ficar como você esperava – ou então, às vezes, sua proposta também pode ser justamente baseada em não ter uma qualidade perfeita!

#3: MONTAGEM

Montagem - Manual Prático Zine

Montagem – Manual Prático Zine

Quando um impresso com acabamento de dois grampos tem muitas páginas, é natural que as lâminas centrais fujam para fora das linhas de cortes. Não deixe imagens, tarjas, números de páginas ou textos muito próximos das laterais para que elas não saiam cortadas no refile final do material. A gráfica que irá realizar a impressão pode lhe informar o quanto de margem em cada lateral você deverá manter na editoração do trabalho. Se você mesma for montar seu zine, tome cuidado com as bordas. Você vai precisar de uma guilhotina ou refiladora, grampos e uma borracha. Ao guilhotinar/refilar as páginas, use uma régua para alinhar o zine, fazendo com que o corte não fique torto. Como um grampeador normal não alcança o centro de uma página A4 ou A5, uma boa alternativa é arranjar um grampeador que se abra por inteiro e grampear o zine na metade com uma borracha encaixada embaixo. O grampo vai ficar aberto, mas aí é só virar o zine e fechar com os dedos. Isso lhe dará uma boa economia (aprendi essa técnica aqui).

#4: DISTRIBUIÇÃO

Distribuição - Manual Prático Zine

Distribuição – Manual Prático Zine

Você pode tanto dar ou trocar como vender seus zines. Estabeleça um preço justo, considerando o quanto você gastou na impressão e montagem do zine, além do tempo e trabalho que aquilo te deu. Para vender para desconhecidos, uma boa alternativa é procurar feiras de impressos gráficos, que rolam em todo o país como a Ugra Press, e a Feira Plana e a Pão de Forma. Você também pode pedir para entrar no grupo do Zine XXX no Facebook, onde são postadas várias oportunidades de trocas, vendas e até de participação em banquinhas com outras pessoas que fazem zines e também vendem em feiras. Se nada disso te interessar e você tiver ambições mais caseiras ou mais megalomaníacas, há outras opções: dê seu zine de presente para pessoas que você goste, venda para pessoas na rua, na porta de escolas, museus, abra uma lojinha online… o zine é seu!

Sobre Arte Contemporanea

Esta área é reservada para a biografia do autor e deve ser inserida para cada autor a partir da seção Informações biográficas, no painel administrativo. Caso deseje incluir links para as redes sociais de cada autor do site, recomendamos que instale o plugin WordPress SEO. Após instalado, o plugin criará os respectivos campos para links das principais redes sociais (Facebook, Google Plus e Twitter). Após preenchidos os campos, os links de cada rede aparecerão automaticamente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *